Bem-vindo ao nosso site

A OESB - Ordo Equestri Sancti Bernardus - Priorado Magistral dos Cavaleiros de São Bernardo - Bailiado de Portugal  - Priorado da Madeira e Principado da Pontinha - Comendas da Madeira, Pontinha e Beja, com especial dedicação para os Países de Lingua Portuguesa,  é uma ordem patriótica. Como patriótica, afirma-se de alma e coração na vertente linguistica Portuguesa - Cfr. Fernando Pessoa, " A minha Pátria é a Lingua Portuguesa (...)", falada hoje por mais de 200 milhões de pessoas espalhadas pelo mundo - Dedicação primeira deste Grão Priorado Magistral.

Como Ordem Internacional que é, a O.E.S.B., encontra-se comprometida com o acolhimento e melhoria dos países onde está representada.

A nossa Ordem dedica-se ao estudo histórico, à preservação da Liberdade, o que é essencial para a liberdade de consciência, religião e para o desempenho eficiente de boas obras. A principal missão dos modernos Templários é o estudo e a caridade. A Ordem realiza as missões através do trabalho , ajudando as pessoas a ajudarem-se a si próprias, reforçando assim a esperança.

As virtudes da Fé, Esperança e Caridade são as luzes guia da Ordem, cujos os membros desejam SERVIR, tal como os cavaleiros originais serviram. O lema da Ordem, “Non nobis, Domine, non nobis, sed Nomini Tuo ad Gloriam”, está em Salmos 115 versículo 1 – “Não para nós, Senhor, Não para nós, mas para Glória de Teu Nome”.

Hoje, a Ordem é a secular - ordem militar de cavalaria - que se destina a realizar Cristãos militares e homens civis (Cavaleiros) e senhoras  (Damas), que demonstram possuir elevada ética e princípios morais, e que desejam seguir as tradições do Templo.

 A Ordem, na idade do materialismo e secular humanismo, procura, reconstituir a antiga ordem de cavalaria, adoptando a onvestigação e a  organização de comprovada eficácia na captura da lealdade e espírito dos líderes dedicados. Mostrar que o estudo e seguimento  do  idealismo espiritual é certamente o mais relevante , não sendo incompatível com a sensibilidade para a tradição, nem incoerente com o patriotismo ou dever cívico.

A palavra, como arma dos Templários modernos.  Usamo-la para servir a paz, para ajudar os oprimidos, para ajudar Irmãos e Irmãs, para promover a educação, e propagar os valores que representam o melhor do cristianismo, humanismo e da tradição de cavalaria.

Esta é a nossa forma de estar. Como Templários, acolhemo-vos com fraternidade no nosso site.

Aqui mostramo-vos um pouco da nossa vontade, dedicação e espirito.

Sejam bem-vindos!

 

 

S.E. O Grão Mestre da O.E.S.B.

S.E. O Grão Prior Magistral para os Paises de Lingua Portuguesa

S.E. O Grão Prior Magistral da O.E.S.B.  - Espanha

S. E. O Grão Prior da Madeira, Açores e Pontinha

S.E. O Bailio de Portugal da O.E.S.B.

S.E. O Comendador de Beja da O.E.S.B.

 

Criação do Priorado Magistral Para os Paises de Lingua Portuguesa, Priorado Magistral Para Espanha, Bailiado de Portugal Continental, Comendadoria de Beja, Investidura de Escudeiros e Cavaleiros

Beja, 18 e 19 de Outubro de 2014

Principado da Pontinha - Sede da OESB

Relicário de São Bernardo

Reliquias dos Cavaleiros do Templo

Sancti Pater Bernardus

04-10-2014 16:46

OESB - Priorado de Portugal e Pontinha

Visita de S.E o Grão Mestre e dos Altos Dirigentes da O.E.S.B., organizada pelo Grande Priorado Magistral para os Paises de Lingua Portuguesa e pelo Bailiado de Portugal, ao Mosteiro de Odivelas e ao Túmulo do Rei D. Dinis.

 

Odivelas, 19 de Outubro de 2014

Os Templários - Simbologia

Estamos no Facebook

https://www.facebook.com/profile.php?id=100008453493096

Larmenius or Charter of Transmission

The Larmenius Charter and the legitimacy of Modern-Day Knights Templar

Notwithstanding what mainline historians say (they are only quoting what the old Roman Church of the Crusade period wants everyone to believe), the Knight Templar Order did not end with the 7-year-long persecution by the Church and the King of France ending with the burning at the stake of Jacques de Molay. This was simply what we of the Modern Era call the end of the “First Phase” of the Order… that being the Crusade-period Order, from its inception in 1118 (some believe actually as early as 1114) to the death of de Molay in 1314.

The Larmenius account holds that when de Molay was approaching his death (he knew that, once he recanted his confession to the Inquisition, he was doomed), he verbally transmitted the Grand Mastership of the Order (through remaining underground Brethren of the Order in Paris) to his second in charge.   That second in charge was the Palestinian-born Christian and Knight Templar Seneschal, Johannes Marcus (French: Jean-Marc) Larmenius.  Larmenius at the time was fairly aged himself, and was holding the last of the remaining Templar Order together on Cyprus.

Larmenius held the Grand Mastership of the Order from the death of de Molay in 1314 until 1324, when, in February of that year, Larmenius caused a document to be written, now historically referred to as The Charter of Larmenius, but which is actually entitled the Charter of Transmission.

In this document, Larmenius states that he has grown too old to continue the rigors of the Office of Grand Master of the Order, and further transmits his Grand Mastership, with the approval of the General Council of the Order, to the ranking Templar next in line, Franciscus Theobaldus.

Theobaldus at that time was the Prior of the Order at the Priory of Alexandria in Egypt.  Theobaldus accepted the assignment, and signed the document as such. Since then, up until 1804, each Grand Master or controlling General Council Secretariat Official has signed the document.

The Charter was written in a well-known Knight Templar Codice (coded writing) of the time, an alphabet based on positioning of portions of the Templar (Maltese quad-triangled) Cross.  When decoded and translated, The Charter has proven to be 13-14th Century Latin.  Still, some naysayer historians claim the document is a hoax.  For example, the critics point to the fact that one of the signers of the charter was known to be illiterate, arguing therefore he couldn’t have signed.  In those times and even until today, those who are illiterate must still sign their names as often as those that can read.  Those who were illiterate obviously could learn to sign their names as it was required over and over.

This document is also referred to as the “Carta Transmissionis”, translated as the Charter of Transmission, as its sole function was to transmit the Grand Mastership of the Order under the then dire circumstances, to safely maintain the integrity of the continuation of the Order itself, and to legitimize the historical lineal descendancy of the Knights Templar Order into the future.

It is the written verification giving credence to the belief that the greater portion of the Order had gone into hiding in France and around the rest of the world, after being secularized by the Papal Bull Vox in Excelso of 1312, issued by Clement V, the puppet Pope of the evil French King, Phillippe IV (Phillip the Fair).

The Order came into semi-public view in Versailles, France in 1705, when a Convent General of the Order elected the Philippe, Duke of Orleans, later Regent of France, to the Grand Mastership of the Order. However, there is no known reference to the existence of the Larmenius Charter from those proceedings.  But, there normally would be no public mention of the document anyway.

The document’s existence was later publicly revealed in 1803-04 by the then-Grand Master, Dr. Bernard Raymond Fabre-Palaprat, a French Doctor close to the Court of Napoleon, well-after the French Revolution.  Palaprat revealed the history of the document also.  Since then, the document has been preserved in hermetically sealed glass at Mark Masons Hall in London.  .

Some Historians are critical of the Larmenius Charter,  just like they are critical of the historical accuracy of the Bible.  But we don’t stop believing in the Bible just because they decided they don’t.  We realize that this document and the Bible were written hundreds of year ago when history was not as well kept as it is today.  By necessity, the Larmenius Charter had to be kept secret as King Phillip IV, at that time, wanted the Templars dead.  Thus, it is not surprising that a secret document would not have a lot of collaborating evidence as this would have put the Templar’s lives in danger.

Let’s assume, for a second, that the critics are right and the Larmenius Charter is not historical.  We are still certain from historical documentation that we do have an unbroken line from 1705 when the Duke of Orleans announced that he was the Grand Master of the Order. That’s 308 years, beating the original order by more than 100 years! (1118-1307)  That is amazing enough for one Order to last over three centuries and still be going strong.

The Larmenius Charter is important because it shows our unbroken  and direct lineage from the original medieval Knights Templar.  One of the most impartial books on this topic is The Warriors and the Bankers, by Alan Butler and Stephen Dafoe.  The authors devote an entire chapter to the Larmenius Charter and the question of the legitimacy of our Order.  The authors came away with an open mind on the matter, being neither in support of nor in a position to discredit the subject.  Their research discovered that there was simply not enough evidence one way or another to prove or disprove the continuation of the original order through the Larmenius Charter.  We agree with the authors that there is not enough evidence one way or the other so it comes down to a matter of belief and every member of our Order is encouraged to make up their own mind.

1313-1324 John-Marc Larmenius

1324-1340 Thomas Theobald of Alexandria

1340-1349 Arnaud de Braque

1349-1357 Jean de Claremont

1357-1381 Bertrand du Guesclin

1381-1392 Bernard Arminiacus

1419-1451 Jean Arminiacus

1451-1472 Jean de Croy

1472-1478 Bernard Imbault

1478-1497 Robert Leononcourt

1497-1516 Galeatius de Salazar

1516-1544 Phillippe Chabot

1544-1574 Gaspard de Galtiaco Tavanensis

1574-1615 Henri de Montmorency

1615-1651 Charles de Valois

1651-1681 Jacques Ruxellius de Granceio

1681-1705 Jacques Henri Duc de Duras

1705-1724 Phillippe, Duc d’Orleans

1724-1737 Louis Augustus Bourbon

1737-1741 Louis Henri Bourbon Conde

1741-1776 Louis-Francois Boubon Conti

1776-1792 Louis-Hercule Timoleon, Duc de Cosse Brissac

1792-1804 Claude-Mathieu Radix de Chavillon

1804-1838 Bernard Raymond Fabre Palaprat

Larmenius Charter

 

 

TRANSLATION OF LARMENIUS CHARTER (from A. G. Mackley’s “An encyclopaedia of freemasonry and its kindred sciences”, edited)

I, Brother John Mark Larmenius, of Jerusalem, by the grace of God and the secret decree of the most venerable and holy martyr, the Grand Master of the Soldiery of the temple, to whom be all honor and glory, confirmed by the common council or the Brethren, being endowed with the Supreme Grand Mastership of the whole Order of the Temple, to every one who shall see these Letters Decretal thrice greeting:

Be it known to all, both present and to come, that the failure of my strength, on amount of extreme age, my poverty, and the weight of government being well considered I, the aforesaid humble Master of the Soldiery of the temple, have determined, for the greater glory of God and the protection and safety of the Order, the Brethren, and the statutes, to resign the Grand Mastership into stronger hands.

On which account, God helping, and with the consent of a Supreme Convention of Knights, I have conferred and by the present decree do confer, for life, the authority and prerogatives of Grand Master of the Order of the Temple upon the Eminent Commander and very dear Brother, Francis Thomas Theobald Alexandrinus, with the power, according to time and circumstances, of conferring the Grand Mastership of the Order of the Temple and the supreme authority upon another Brother, most eminent for the nobility of his education and talent and decorum of his manners: which is done for the purpose of maintaining a perpetual succession of Grand Masters, an uninterrupted series of successors, and the integrity of the statutes. Nevertheless, I command that the Grand Mastership shall not be transmitted without the consent of a General Convention of the fellow-soldiers of the Temples as often as that Supreme Convention desires to be convened, and, matters being thus conducted, the successor shall be elected at the pleasure of the knights.

But, lest the powers of the supreme office should fall into decay, now and for ever let there be four Vicars of the Grand Master, possessing Supreme power, eminence, and authority over the whole Order, With the reservation of the rights of the Grand Master, which Vicars of the (Grand Masters shall be chosen from among the alders, according to the order of their profession. Which is decreed in according with the above-mentioned wish, commended to me and to the Brethren by our most venerable and most blessed Master, the martyr, to whom be honor and glory. Amen.

Finally, on consequence of a decree of a Supreme Convention of the Brethren, and by the supreme authority to me committed, I will, declare, and command that the Scottish exemplars, as deserters from the Order, are to be accursed, and that they and the brethren of Saint John of Jerusalem, upon whom may God have mercy, as spoliators of the domains of our soldiery are now and hereafter to be considered as beyond the pale of the Temple I have therefore established signs, unknown to our false Brethren, and not to be known by them, to be orally communicated to our fellow-soldiers, and in which way I have already been pleased to communicate them in the Supreme Convention.

But these signs are only to be made known after due profession and knightly consecrations according to the Statutes, Rites, and Usages of the fellow-soldiery of the Temple, transmitted by me to the above-named Eminent Commander as they there delivered into my hands by the venerable and most holy martyr, our Grand Master, to whom be honor and glory. Let it be done as I have said. So mote it be. Amen.

I, John Mark Larmenius, have done this on the thirteenth day of February, 1324.
I, Francis Thomas Theobaldus Alexandrinus, God helping, have accepted the Grand Mastership, 1324.

And then follow the acceptances and signatures of twenty-two succeeding Grand Masters-the last, Bernard Raymund Fabre, under the date of 1804.

ORIGINAL LATIN

Ego frater Johannes Marcus Larmenius, hyerosolimitanus, Dei gratia et secretissimo venerandi sanctissimique martyris, supremi templi militiæ magistri (cui honos et gloria) decreto, communi fratrum consilio confirmato, super universum templi ordinem, summo et supremo magisterio insignitus, singulis has decretales litteras visuris, salutem, salutem, salutem.

Notum sit omnibus tam præsentibus quam futuris, quod, deficientibus, propter extremam ætatem, viribus, rerum angustia et gubernaculi gravitate perpensis, ad majorem Dei gloriam, ordinis, fratrum et statutorum tutelam et salutem, ego supra dictus, humilis magister militiæ Templi, inter validiores manus supremum statuerim deponere magisterium:

Idcirco, Deo juvante, unoque supremi conventus equitum consensu, apud eminentem commendatorem et carissimum, Franciscum Thomam Theobaldum Alexandrinum, supremum ordinis templi magisterium, auctoritatem et privilegia contuli, et hoc præsenti decreto, pro vita, confero cum potestate, secundum temporis et rerum leges, fratri alteri, institutionis et ingenii nobilitate morumque honestate præstantissimo, summum et supremum ordinis templi magisterium, sine commilitonum templi conventus; et, rebus ita sese habentibus, succesor ad nutum eligatur.

Ne autem languescant supremi officii munera, sint nunc et perenniter quatuor supremi magistri vicarii; supremam potestatem, eminentiam et auctoritatem; super universum ordinem, salvo jure supremi magistri habentes; qui vicarii magistri apud seniores secundum professionis seriem eligantur. Quod statutum è commendato mihi et fratribus voto sacrosancti suprà dicto venerandi beatissimique magistri nostri, martyris (cui honos et gloria) amen.

Ego denique, fratrum supremi conventus decreto, è suprema mihi comissa auctoritate, Scotos Templarios ordinis desertores, anathemate percussas, illosque et fratres sancti Johannis hyerosolimae, dominiorum militiæ spoliatores (quibus apud Deum misericordia) extrà girum templi, nunc et in futurum, volo, dico et jubeo.

Signa, ideo, pseudo-fratribus, ignota et ignoscenda constitui, ore commilitonibus tradenda, et quo, in supremo conventu, jam tradere modo placuit.

Quæ vero signa tantummodo pateant post debitam professionem et æquestrem consecrationem, secundùm templi commilitonum statuta, ritus et usus, suprà dicto eminenti commendatoris à me transmissa, sicut à venerando et sanctissimo martyre magistro Jacobo de Molaya (cui honos et gloria) in meas manus habui tradita. Fiat sicut dixi fiat. Amen.


Fonte: http://www.theknightstemplar.org/larmenius/

Fonte: http://todoestarelacionado.wordpress.com/2012/04/01/el-secreto-mortal-de-los-templarios-voz-espanol/

A cruz pátea (derivada do francês croix pattée significando cruz patada), por vezes chamada cruz templária, sendo mais do que uma cruz específica, é uma categoria de cruzes caracterizadas por terem pontas mais amplas no seu perímetro do que no centro, configurando "patas".

 

A cruz pátea é às vezes confundida com a Cruz de Malta e a Cruz de Cristo, o que não deixa de fazer sentido pois ambas estas podem ser consideradas sub-categorias daquela. Simplesmente enquanto que foi usada pela Ordem do Templo nunca o foi pela Ordem de Malta e a última nasce de facto de uma sua transformação pela passagem de, no século XIV e no [[Reino de Portugal, passar a assumir os bens e regra da primeira que entretanto tinha sido forçada a ser extinta. Embora muitas vezes por questões de simplificação, as pontas quebradas da Cruz de Malta ou a cruz grega central branca da Cruz de Cristo são ignoradas, configurando cruzes páteas.

Essa confusão é bastante usual no mundo inteiro, como ilustra a codificação Unicode que utiliza o simbolo de cruz pátea para o caracter denominado "Cruz de Malta" ( no ponto de código U+2720 da seção Dingbats).

No Brasil, é particularmente conhecida devido a sua adoção pelo Club de Regatas Vasco da Gama. Ela decorreu da simplificação da Cruz de Cristo que constava dos primeiros escudos do clube; entretanto, em virtude desta simplificação, ocorreu a mesma associação com a versão simplificada da Cruz de Malta que no caso dos caracteres Unicode. Assim a a denominação foi incorporada no hino do clube e no estatuto incorretamente e popularizou-se através do epíteto "cruzmaltino".

A Cruz de Ferro ou "Eiserne Kreuz", condecoração utilizada pela Alemanha somente em tempos de guerra, apesar de por costume ser considerada uma categoria à parte principalmente na própria Alemanha , é derivada da cruz pátea ("Tatzenkreuz") da Ordem dos Cavaleiros Teutônicos e assemelha-se à variante estilizada da Cruz Preta ("Schwarzes Kreuz") em uso pela Bundeswehr.

Visão Gnóstica do Mundo
 

1. O que é GNOSE e GNOSTICISMO

Gnosticismo é o ensino baseado na Gnose, o conhecimento da transcendência, ao qual se chega através de meios intuitivos interiores. Embora o Gnosticismo se baseie na experiência religiosa interior, nem todas podem ser reconhecidas como gnósticas. O Gnosticismo refere-se a uma específica experiência religiosa, uma experiência que não se presta à linguagem da teologia ou da filosofia, mas que com elas tem grande afinidade, e expressa-se por meio do mito. Com efeito, vê-se que a maioria das escrituras gnósticas tomam a forma de "mitos". O termo "mito" não deve ser entendido como "estórias que não são verdadeiras", ao contrário, que as verdades contidas nesses mitos são de uma ordem diferente dos dogmas da teologia ou das conclusões da filosofia.

GNOSE, possuída pelos Iniciados, opõe-se à vulgar PISTIS (crença) dos fiéis. É mais uma revelação secreta e misteriosa. As seitas gnósticas possuem livros de origem alógena, ou seja, de origem exterior e superior ao mundo em que vivemos. Tais obras são atribuídas a enviados celestes. Exemplos: o "Livro Sagrado do Grande Espírito" uma das obras usadas pelos Setianos (de Set, um dos filhos de Adão); o "Neo Liber Legis", atribuído a Horus e recebido na Igreja Gnóstica dos Templários Universais (IGTU). Por sua vez, todos os gnósticos cristãos pretenderam haver herdado através de vias misteriosas os ensinamentos secretos dados por Jesus a seus discípulos: Basílides recebeu de Matias as doutrinas esotéricas a este reveladas pelo Salvador. Os sectários gnósticos fizeram circular muitos evangelhos apócrifos: "O Evangelho Segundo os Egípcios", "O Evangelho de Maria", o "Livro Secreto de João".

        2. O Cosmos

Não endossamos o pessimismo de muitos gnósticos. Para eles, "O mundo é o sítio da morte, do sofrimento, da feiúra e do mal" e ainda uma fortaleza hermeticamente fechada e rodeada de muros e poços aparentemente intransponíveis aonde o homem é atirado para permanecer numa prisão, sem esperança... Acham que existe uma luta eterna entre o homem e Deus, "que teria sido obrigado a fortificar-se para ficar fora do alcance do mundo."... Assim, utilizando a doutrina astronômica das esferas de cristal, que giram em torno da Terra, alguns gnósticos afirmam que elas constituem um obstáculo intransponível para as almas que tentarem evadir-se do mundo, pois frente às portas escavadas em cada uma das sete esferas acham-se postados guardiães inexoráveis: os ARCONTES. Afirmam ainda que tais Arcontes seriam forças malignas que imporiam ao mundo uma rigorosa fatalidade, garantida pelos Arcontes Planetários e os doze guardiões das Estrelas...

Muitos gnósticos sustentam que o mundo é imperfeito porque foi criado de maneira imperfeita. À semelhança do Budismo, o Gnosticismo começa com o fundamental reconhecimento de que a vida terrena é cheia de sofrimento. Para se alimentarem, todas as formas de vida consomem-se mutuamente, causando dor, medo e morte umas às outras (até animais herbívoros vivem destruindo as vidas das plantas) Além disso, as assim chamadas catástrofes naturais -- terremotos, inundações, incêndios, enchentes, erupções vulcânicas -- causam mais sofrimento e morte. Os seres humanos, com suas complexas fisiologia e psicologia, não são conscientes somente dessas características dolorosas da existência terrena, mas sofrem ainda com o frequente reconhecimento de que são estranhos vivendo num mundo que é imperfeito e absurdo.

Muitas religiões sustentam a idéia de que os humanos são culpados da imperfeição do mundo. Defendendo este ponto de vista, elas interpretam o Mito do Gênesis como uma declaração de que as transgressões cometidas pelo primeiro casal humano tenham provocado uma "queda" da criação, resultando no presente estado corrupto do mundo. Os gnósticos respondem que esta interpretação do mito é falsa. A culpa da queda do mundo cai não sobre os humanos, mas sobre o Criador. Isto porque -- especialmente nas religiões monoteístas -- o Criador é Deus, esta posição gnóstica pode parecer blasfema, e é freqüentemente vista com alarme até por incrédulos.

Modos de escapar do reconhecimento da criação imperfeita e da imperfeição de seu criador têm sido apresentados de tempos em tempos, mas, segundo vários autores, nenhum ainda impressionou os gnósticos. Os gregos antigos, especialmente os platônicos, chamaram as atenções das pessoas para a harmonia do universo, de modo que, venerando sua grandeza, poderiam esquecer-se de suas aflições imediatas. Mas desde que esta harmonia contém ainda os cruéis defeitos da desesperança e da alienação da existência, estas considerações são consideradas de pouco valor por muitos gnósticos. Nem a idéia oriental de Karma é considerada pelos gnósticos como uma adequada explicação da imperfeição da criação e do sofrimento. O conceito de Karma, na melhor das hipóteses, pode explicar somente como a cadeia de sofrimentos e imperfeições funciona. Ele não nos explica, em primeiro lugar, por que um tão triste e maligno sistema deva existir.

Sustentamos que a conclusão de que o mundo é imperfeito pode ser válida, mas apenas dentro dos parâmetros de uma determinada visão. Muitos conseguem perceber, como foi dito mais acima, no conjunto das características existentes, uma grande harmonia, um equilíbrio superior, que prevalece apesar de todos os excessos do homem!... esse ser insaciável de conhecimento e de poder, que frequentemente vê a si mesmo digladiando-se com a própria divindade e auxiliares, que ele criou com sua imaginação delirante e fértil... Criou porque não suporta a idéia de reconhecer-se como o único e verdadeiro Deus, exilado na vida material, que o priva, embora provisoriamente, do discernimento pleno, da Gnose, que fatalmente levará cada um à realização de seu glorioso destino....

A tão propalada imperfeição do mundo é uma ilusão intelectualista, uma criação inferior do ser humano, que assim se colocando, rebaixa-se e à própria "divindade", somente para explicar aquilo que não consegue entender!... Mas lembremo-nos de que esses que defendem essa idéia degradante são os mesmos que sustentam a incapacidade do homem para compreender a Deus, ao chamado "Deus Verdadeiro", o Incognoscível... Ora, se existe essa incapacidade, essa limitação da mente humana, como supor que sua idéia da criação e das características essenciais do mundo, do universo, do cosmos sejam essas negatividades que tão afanosamente defendem alguns espiritualistas fanatizados, perante os olhares atônitos do homem comum, que pressente em seu íntimo e sente a beleza da vida e a alegria de estar no mundo?

Pura doença, suicídio institucionalizado e fanatismo, aferrar-se à idéia de culpa, seja do chamado Primeiro Homem (Adão), seja do imaginado Criador Imperfeito (Demiurgo). Não há culpa, não existe pecado. O mundo é perfeito em seu conjunto, visto dentro da harmonia cósmica. É o homem que, geralmente preso à matéria, às limitações de sua mente, não consegue entender os intrincados mecanismos e leis que governam a totalidade... Diríamos, "não compreende os desígnios de Deus". Para uma humanidade que se debate contra a fatalidade da morte, ignorante do que acontece após ela, apesar dos incontáveis testemunhos de mestres altamente qualificados sobre a continuidade da existência em outros planos; para uma humanidade, que desdenha dos seus próprios esforços no campo espiritual, enquanto se utiliza de esquemas intelectuais para anular as conquistas de seus verdadeiros Mestres, -- para esta humanidade tem de haver um mundo imperfeito e um Deus maligno... Caso contrário, ela não suportaria viver a felicidade plena da harmonia cósmica, cujo resultado é a UNIDADE -- visto que separa, sistematicamente os mundos material e espiritual, colocando, entre eles, uma barreira intransponível!...

Aceitamos a doutrina das emanações, com a criação de seres "intermediários", com funções definidas, como explicações práticas, acessíveis à compreensão humana, na tentativa de esclarecer processos que nos parecem complicadíssimos, dada a nossa quase insuperável limitação. Mas não achamos exeqüível a idéia de que essas emanações divinas passem a degradar-se mais e mais, à medida que se distanciam da fonte! É verdade que o iniciado pode perceber diferenças importantes nas obras e procedimentos dos vários seres que se sucedem no processo da criação, especialmente à medida que se dirigem cada vez mais rumo à materialidade. Todavia, julgamos arbitrário atribuir à matéria qualquer resquício de malignidade! Aí reside um equívoco fundamental, que plasmou os absurdos que encontramos em tantas teorias de respeitáveis filósofos!...

A Lei do Carma, ou de Causa e Efeito, não considerada um castigo, mas uma oportunidade de evolução, é perfeita. Ela não se destina a explicar o conjunto do processo cósmico, como desejariam alguns pesquisadores, que por isso cometem equívocos. As condições do mundo, onde seres se utilizam ou dispõem das vidas de outros seres para sobreviverem, não são nem deveriam ser afetadas pela Lei do Carma, que simplesmente funciona dentro do esquema geral pré-estabelecido. A discussão, aqui, deve girar, isto sim, em torno do real significado da vida material e da vida espiritual. Se prestarmos atenção ao ensinamento do Bhagavad-Gita, constataremos que a Vida, em última instância, a Existência, é indestrutível. Há uma passagem na qual o discípulo Arjuna, diante da iminência de uma guerra, na qual combateria contra seus irmãos, certamente tendo que sacrificar algum ou alguns deles, dirigiu-se, atormentado, a Krishna, indagando do acerto ou não das ações que fatalmente ocorreriam. Atordoava-o a idéia de ter que matar um semelhante... Atendendo ao fiel discípulo, o Deus Krishna respondeu: "E quem é você que pensa ser capaz de matar um Espírito? Não! O Espírito é imortal. Apenas o corpo material é destruído. Vá, portanto, à luta e cumpra o seu dever, para que não seja considerado desonrado pela sua covardia!..."

  3. Divindade

 O conceito gnóstico de Deus é mais sutil do que o da maioria das religiões. A seu  modo, ele une e reconcilia Monoteísmo e Politeísmo, assim como Teísmo, Deísmo e Panteísmo. Na visão gnóstica, há um verdadeiro, último e transcendental Deus, que está além de todos os universos criados e que nunca criou qualquer coisa diretamente, Deus nada criou, mas "emanou" ou lançou de Si Mesmo a substância de tudo que existe em todos os mundos, visíveis e invisíveis. Num certo sentido, pode-se dizer e ter como verdadeiro que tudo é Deus, pois tudo consiste de Sua substância.

O mito gnóstico básico tem muitas variações, mas todas elas se referem a Aeons, seres intermediários deificados, que existem entre o Deus fundamental e nós. Eles, junto com o Deus Incognoscível, formam o reino da Plenitude ou Pleroma onde a potência da Divindade opera completamente. A Plenitude mostra-se em contraste com nosso estado existencial, que, em comparação e devido à nossa insensibilidade pré-iniciática, pode ser chamado de Vazio.

Um dos seres aeonicos que tem o nome de Sophia ("Sabedoria") é de grande importância para a visão gnóstica do mundo. No transcurso de suas viagens, Sophia veio a emanar de seu próprio ser uma consciência, um ser que se tornou o criador do cosmos material e psíquico, tudo feito à sua própria semelhança. Lançou mão da já existente essência divina, moldando-a em várias formas, sendo chamado de Demiurgos ou "meio-fabricante", porque na verdade trabalhou em perfeita UNIÃO com o Deus Incognoscível e com seus subalternos cósmicos, os Arcontes, ou "governantes".

Para alguns gnósticos, DEMIURGO, o Deus Criador do mundo e seu governante, opõe-se, no entendimento humano, ao Deus desconhecido, estranho, invisível, oculto, transcendente. O primeiro é o Deus Justo da Bíblia, e o segundo o Deus Bom, anunciado pelo Evangelho. Com efeito, Cristo se apresenta como o Filho de um Deus desconhecido e absolutamente bom, ao passo que o Jeová do Antigo Testamento é diferente de um Deus de pura bondade, sendo todavia um Deus de Justiça. Esta a concepção dos marcosianos (discípulos de Marcos, um Valentiniano). A Lei de Moisés não foi estabelecida pelo Deus Incognoscível diretamente, mas pelo Demiurgo, criador do mundo e de tudo que nele se contém.

Demiurgo é denominado frequentemente com os nomes hebraicos Ialdebaoth (Filho do Caos) ou Sabaoth (Deus dos Exércitos) para mostrar que é o Deus do Gênesis -- é representado como um ser muito severo, o qual, com o propósito de animar a "Jerusalém Terrestre" ou seja, a matéria, arrebatou um raio do "Pai das Origens". É ele quem coloca em prova as almas desgarradas, fazendo-as passar por incontáveis transmigrações, na busca do aperfeiçoamento...

Segundo os maniqueístas, existe uma guerra primitiva entre a Luz e as Trevas. Sua é a teoria dos "Três Momentos": o anterior, em que os dois princípios existem separadamente; o intermediário, em que se produz a mescla da Luz e das Trevas, considerada por eles como "desastrosa", e o momento final, que é o retorno à separação. Segundo Manes, "o universo é o sítio onde se curam os corpos luminosos, mas ao mesmo tempo a prisão onde os demônios negros os aprisionam". Eles não consideram a possibilidade de uma síntese final com a união, em níveis mais altos, dos dois princípios, ou melhor, com a transcendência das polaridades, como preceitua a nossa Igreja Gnóstica dos Templários Universais.

Basílides e Valentim, considerados "grandes gnósticos", vinculam-se à teoria das "Emanações Divinas". Basílides coloca nas origens uma Divindade tão inconcebível que nem se pode dizer que ELA É. "O Deus não é nada." É o nada existente, a semente universal.

Geralmente as gnoses mostram a interferência de uma complexa hierarquia de entidades, forças ou poderes: os EONES ou ARCONTES (= Os Eternos) agrupados segundo certos paralelismos numéricos, às vezes como macho e fêmea.

Em Valentim, o mais célebre dos gnósticos cristãos, a eonologia se ordena em função de uma espécie de dialética: Bythos (Abismo) e Sigé (Silêncio), atributos do Deus desconhecido; Nous (Inteligência) e Alétheia (Verdade); Logos (Verbo) e Zoé (Vida); Anthropos (Homem) e Ekklesia (A Igreja), etc. Como Platão, afirma: Os Eones são seres eternos, os modelos, dos quais a criação nada mais é que uma imagem imperfeita. O conjunto dos Eones constitui o PLEROMA, a plenitude, análoga ao mundo inteligível dos platônicos. Alguns Valentinianos davam ao Pai desconhecido uma companheira: SIGÉ; outros afirmam, ao contrário, que o Deus Supremo reina só em Sua Eternidade e que a criação foi para Ele um modo de estender seu amor. Na verdade Valentim deseja resolver o problema do mal mediante uma cosmogonia emanacionista. Os Eones são como as manifestações diferenciadas do que se acha confundido no Abismo, como os "nomes" do Ser Infinito; mas o último da série dos Eones, Sophia, a Sabedoria, caiu do Pleroma e suas "paixões" deram nascimento à matéria, à KENOMA (Carência). Por esse motivo, Deus se viu obrigado a separar o imperfeito mundo visível, do mundo perfeito, ou seja, o Pleroma; esta separação foi realizada pelo Eon Horos (O Limite).

Toda separação é ilusória. Existe apenas na mente humana. Note-se, entretanto que se trata de uma "Ilusão verdadeira", isto é, que, existente na mente humana, não pode ser considerada como "nada". Seus efeitos são efetivos e duradouros. Assim, Deus, que é o próprio Homem ou Anthropos, estabeleceu os limites descritos como obra do Eon Horos (O Limite), e todo o drama de Sophia (Sabedoria) nada mais é do que a nossa consciência, limitada, na encarnação, pelas leis da matéria.

Também o aspecto feminino de Deus é altamente considerado pelos gnósticos. O culto da Mulher divina, da Mãe, do eterno feminino: é o caminho entre Deus e o mundo. Alguns não hesitam em fazer da Mãe, assimilada ao Espírito Santo, a terceira pessoa do Absoluto manifestado: é o Deus-Mãe Sophia, Nossa Senhora: é também o Paracleto. Em muitas seitas, a doutrina e o culto giram ao redor de uma entidade metafísica, BARBELO, (talvez derivado do hebraico Barbhé Eloha = "Deus em quatro", alusão à Tétrada Divina: Pai, Filho, Pneumá Feminino e Cristo). BARBELO é a primeira exteriorização, a força, a imagem, a luz do Pai: desempenha no mundo o papel atribuído ordinariamente ao LOGOS.

Apresentada como uma figura ambivalente, semelhante às "perturbadoras" deusas dos antigos cultos mediterrâneos da fecundação (Asterté, Astargatis, etc.) BARBELO simboliza a virgindade sem mácula e também o poder gerador, a luxúria sagrada. Temos aqui a Magia Sexual colocada como instrumento importante no processo de reintegração do homem à sua própria divindade. Através da mulher, do aspecto feminino da Divindade, pode o homem reconciliar as forças terrenas e celestes dentro de si, no amplexo sagrado, despertando e fazendo ascender a serpente Kundalini, que repousa, adormecida no chakra muladara ou básico.

Segundo uma explicação de autores gnósticos antigos, os sistemas em que intervém BARBELO são muito complexos. Citam um exemplo nos nicolaítas: as trevas (o Abismo, as Águas) rechaçadas pelo Espírito não engendrado, ascendem com fúria para atacá-lo; esta luta produz uma espécie de matriz que, de parte do Espírito, engendra quatro Eones, que por sua vez engendram outros quatorze, depois do que se formam a direita e a esquerda, a Luz e as Trevas. Um dos poderes superiores, emanados do Espírito, BARBELO, a MÃE CELESTE, engendrou a entidade (Iadalbaoth ou Sabaoth), criadora deste mundo; mas, "arrependida" de seu ato, serve-se de sua beleza para começar a "salvação" do cosmos inferior.

O acima descrito é naturalmente fruto de uma visão espiritual autêntica, mas cuja tradução em palavras não corresponde à realidade metafísica, porque: a) As águas do Abismo não atacam o Espírito Não-Engendrado, mas buscam dEle se aproximarem, dentro da Lei da Evolução. É assim que logram obter a criação de uma matriz que engendra Eones, culminando com a formação da Luz e das Trevas, ou seja, das polaridades, necessárias ao processo evolutivo. b) Barbelo, geradora do Criador do Mundo, não se arrependeu disto, mas continuou seu trabalho, ajudando na evolução do cosmos inferior. Dizer que ela se arrependeu, isto é, que errou e sentiu culpa, mostra apenas os preconceitos e limitações dos estudiosos daquela época, e das dificuldades que tiveram para expressarem as verdades superiores. c) A referida salvação do cosmos inferior também não deve ser tomada sem exame. Os elementos "inferiores" têm sua finalidade, ocupam seus lugares dentro do processo. Se buscam aproximação das esferas superiores, isto obedece simplesmente à Lei Natural. A ajuda prestada, apresentada como uma ação salvática, pode assim ser vista pelos que consideram inferior tudo que não se situa no ápice... mas existe uma Lei, às vezes esquecida, que esclarece este ponto: "Como é em cima, é em baixo... para que se realize o milagre da UNIDADE".

 

        4. O Ser Humano

A natureza humana espelha a dualidade que se acha no mundo: em parte ela contém os agravos dos preconceitos e tabus que prejudicam o caminhar na Senda da Luz; em parte consiste da Luz do Deus Incognoscível. A Humanidade contém um componente físico e psíquico perecível, assim como um componente espiritual que é um fragmento da essência divina. Esta última parte é frequente e simbolicamente referida como uma "centelha divina". O reconhecimento desta natureza dual do mundo e do ser humano tem garantido aos gnósticos o epíteto de "dualistas".

Os seres humanos geralmente ignoram a centelha divina que reside em seu interior. Essa ignorância é mantida em sua natureza pela influência de falsas religiões e filosofias, fatores que, juntos, contribuem para manter homens e mulheres ignorantes de sua verdadeira natureza e destino. Tudo que sirva para nos manter aferrados às coisas falsas serve para que continuemos escravizados às mais baixas leis cósmicas. A morte libera a divina centelha de sua prisão rebaixadora, mas, se não houver um substancial trabalho de Gnose realizado pela alma antes da morte, torna-se provável que a centelha divina venha a ser atraída para trás e recolocada dentro de outro invólucro para sofrer as penas e a escravidão deste mundo, com seu sistema alienante.

Nem todos os humanos são espirituais (pneumáticos) e assim prontos para a gnose e a liberação. Alguns são seres terrenos e materialistas (hílicos), que reconhecem somente a realidade física. Outros vivem especialmente em seus psiquismos. (psíquicos). Tais pessoas geralmente confundem falsas concepções com verdadeiras e têm pouca ou nenhuma consciência do mundo espiritual além da matéria e da mente.

No curso da História, os humanos progridem da escravidão materialista por meio de uma religiosidade ética para a liberdade espiritual e a gnose liberadora. Como G. Quispel escreveu: "O espírito do mundo em exílio precisa passar pelo Inferno da matéria e pelo Purgatório da moral para chegar ao Paraíso Espiritual." Este gênero de evolução da consciência foi antevista pelos gnósticos, muito antes que se tornasse conhecido o conceito de evolução.

Aprisionado a um mundo inferior e malévolo, o gnóstico sente-se abandonado, vítima de terrível solidão: aspira desesperadamente a transcender o mundo, a um domínio que concebe como o da verdadeira vida, da liberdade e da plenitude. "Somos estranhos ao mundo, e o mundo nos é estranho. Acha que pertence a um mais além e que não é originário deste mundo, mas pertence à raça dos eleitos, dos inquebrantáveis, dos seres superiores, hipercósmicos. Somente mediante o conhecimento, pode a alma reconhecer sua origem primeira e salvar-se. O conhecimento do homem é a perfeição; o conhecimento de Deus é sua consumação. Para muitos o homem é um prisioneiro do mundo. Alguns gnósticos mostram-se obsessivos em relação ao problema do mal : "Qual é sua origem?", "Por que existe?". Partindo para uma perspectiva dualista, chegam a opor a Deus a matéria ou um princípio do mal, distinguindo do Deus transcendente, desconhecido, alheio ao mundo e absolutamente bom, um Deus inferior e inimigo, criador do mundo e dos corpos... Há gnósticos que sentem dolorosamente o fato de haverem sido arrojados a um mundo mal, alheio, absurdo, com o qual não sentem qualquer afinidade.

Novamente a Igreja Gnóstica rejeita esse modo de colocar e de sentir a realidade humana e divina. Conhecemos e respeitamos o sentir e o pensar de nossos Irmãos na Gnose, mas sentimo-nos no dever de discordar e apresentar uma outra maneira de ver e de sentir, alinhada com a concepção thelêmica, que nos apresenta o mundo sob a regência da Criança Coroada e Conquistadora, que transcende a fórmula do Deus Moribundo, da tristeza e da dor, inaugurando uma Nova Era de Alegria, Otimismo, Felicidade e Paz.

 

        5. Salvação

Forças evolucionárias sozinhas são insuficientes para trazer a liberdade espiritual. Os humanos vivem aprisionados numa situação que consiste de existência física combinada com ignorância de suas verdadeiras origens, sua natureza essencial e sua última destinação. Para se libertarem dessa situação, os seres humanos precisam de ajuda, embora tenham também de contribuir com seus esforços.

Desde os primórdios dos tempos, Mensageiros da Luz têm vindo assistir os humanos em sua necessidade de conhecimento. Somente poucas dessas figuras salváticas são mencionadas nas Escrituras Gnósticas; algumas das mais importantes são Seth (o terceiro Filho de Adão), Jesus, e o Profeta Mani. A maioria dos gnósticos tem olhado Jesus como o principal Salvador (o Soter). Atualmente, Horus, com a mensagem libertária do Neo Liber Legis, coloca ao alcance do Homem meios eficientes para sua total liberação.

Os gnósticos não buscam a salvação do pecado (original ou outro), mas da ignorância, da qual o pecado ou erro é uma conseqüência. Ignorância -- que aqui significa ignorância de realidades espirituais -- é dispersada somente pela Gnose, e a decisiva revelação da Gnose é trazida pelos Mensageiros da Luz, especialmente por Cristo, o Logos, o Chrestos Solar. Não foi por Seu sofrimento e morte mas por Sua vida de ensinamento e Sua colocação dos Mistérios que Cristo realizou Seu trabalho de salvação.

O conceito gnóstico de salvação, como outros conceitos gnósticos, é sutil. Os gnósticos sustentam que a gnose potencial e consequentemente a salvação, está presente em todo homem e mulher, e que a salvação não é sacerdotal, mas individual. Ao mesmo tempo, eles reconhecem que gnose e salvação podem ser e na verdade devem ser estimuladas e facilitadas, a fim de efetivamente elevarem o nível de consciência. Esse estímulo é dado por Mensageiros da Luz, os quais, além de seus ensinamentos, estabelecem mistérios salváticos (sacramentos) que podem ser administrados por apóstolos dos Mensageiros e seus sucessores.

É preciso lembrar que o conhecimento de nossa verdadeira natureza -- assim como outras realizações associadas -- é negado a nós por nossa condição de existência terrena. O Deus Verdadeiro e Transcendental é desconhecido neste mundo, sendo de fato frequentemente chamado de Pai Desconhecido. É óbvio então a necessidade de uma revelação do Alto para nos trazer a salvação. A centelha que reside no interior deve ser despertada em sua prisão terrena, pelo conhecimento salvador que vem "do exterior".

Entende-se, portanto, por GNOSE toda doutrina ou atitude religiosa fundada na teoria ou na experiência de obtenção de salvação ou liberação pelo conhecimento. Possuir a GNOSE é, segundo Teódoto, discípulo de Valentim: "Saber o que fomos e o que chegamos a ser; de onde viemos e até onde vamos e de onde nos chega a Redenção. Qual é o nascimento e qual a Ressurreição".

A GNOSE, simbolizada pelo fogo iluminador e gerador -- arranca a alma do eleito, do espesso sonho em que se achava, daí o emprego de métodos de adestramento espiritual destinados a engendrar estados especiais de consciência e de supraconsciência. Uma vez alcançada, constitui um conhecimento total, imediato, que o indivíduo possui inteiramente e que abarca o Homem, o Cosmos e a Divindade. É somente através desse conhecimento -- e não por meio da fé ou das obras -- que se consegue a Salvação ou Liberação. Sejam quais forem as diferenças entre as várias escolas, a GNOSE se define por esta posição geral e por sua atitude existencial: é pela condição de experiência vivida que a GNOSE manifesta sua verdadeira originalidade.

6. Conduta

Se as palavras "ética" ou "moralidade" significam um sistema de regras, então o Gnosticismo opõe-se a ambos. Tais sistemas usualmente são preparados para servir ao mundo e aos seus propósitos e ilusões. Se, por outro lado, moralidade for tida como consistindo de uma integridade íntima oriunda da iluminação proveniente da centelha interior, então o Gnóstico abraçará como ideal esta ética existencial espiritualmente informada.

Para o gnóstico, mandamentos e regras não são salvadores; eles não são substancialmente condutores para a salvação. Regras de conduta podem servir a numerosos fins, inclusive a estruturação de uma sociedade ordeira e pacífica, e a manutenção de relações harmoniosas em grupos sociais. Todavia, regras não são relevantes para a salvação; que é obtida apenas através da Gnose. A moralidade portanto precisa ser vista primariamente de um ponto de vista temporal e secular; ela nunca está sujeita a mudanças e modificações de acordo com o desenvolvimento espiritual do indivíduo.

Como se pode notar na discussão acima, "materialistas hílicos" geralmente tem pouco interesse em moralidade, enquanto "disciplinadores psíquicos" geralmente lhe emprestam grande importância. Em contraste, pessoas classificadas como "Espirituais Pneumáticos" são geralmente mais preocupados com outras, mais altas matérias. Diferentes períodos históricos também requerem atitudes que variam em relação à conduta humana. Assim, ambos, os movimentos gnósticos dos Maniqueístas e dos Cátaros, que funcionaram naqueles tempos em que a pureza de conduta era vista como um assunto de alta importância, atuaram de acordo. O atual período da cultura ocidental talvez se assemelhe mais com a Alexandria dos segundo e terceiro séculos. Parece portanto apropriado que os gnósticos de nossa época adotem as atitudes do gnosticismo clássico Alexandrino, pelas quais as matérias de conduta eram em grande parte deixadas ao arbítrio do indivíduo.

O Gnosticismo adota numerosas atitudes gerais em relação à vida: encoraja não adesão e não conformação com o mundo, um "estar no mundo, mas não ser do mundo"; ausência de egoísmo; e respeito à liberdade e dignidade de outros seres. Contudo, liga-se à intuição e conhecimento de cada Gnóstico a fim de extrair de seus princípios diretrizes individuais para aplicação pessoal.

         7. Destino

O Gnosticismo não enfatiza a doutrina da reencarnação, mas está explícito na maioria dos seus ensinamentos que aqueles que não realizarem efetivo contato com suas origens transcendentais, enquanto encarnados, terão que retornar às tristes condições da vida terrena.

No que se refere a salvação, ou à sorte do espírito e da alma depois da morte, deve-se estar ciente de que se pode obter ajuda. Valentim, o maior dos mestres gnósticos, ensinou que Cristo e Sophia esperam pelo homem espiritual, -- o gnóstico pneumático -- à entrada do Pleroma, e ajuda-o a entrar na câmara nupcial da união final. Ptolomeu, discípulo de Valentim, ensinava que até os não pneumáticos, os psíquicos, poderiam redimir-se e viverem num mundo celestial à entrada do Pleroma. Na consumação dos tempos, todo ser espiritual receberá a Gnose e se unirá a seu mais alto Ego. -- o Gêmeo angélico -- assim se tornando qualificado para entrar no Pleroma. Nada disto é possível, contudo, sem persistente esforço pela Gnose.

8. Conclusão

Num sentido, não há gnose sem gnosticismo, pois a experiência da gnose inevitavelmente clama por uma visão de mundo onde ela possa achar seu lugar. A visão gnóstica do mundo é experiência, baseada numa determinada experiência espiritual da gnose. Assim, não se deve omitir ou diluir várias partes da visão gnóstica do mundo, pois, isto feito, a visão do mundo não mais corresponderia à experiência.

A Teologia tem sido chamada de um invólucro intelectual que é colocado em torno do cerne da religião. Se isto for verdadeiro então também é verdade que a maioria das religiões está sendo estrangulada por seus invólucros. O Gnosticismo não corre este perigo, porque sua visão do mundo é afirmada mais em mitos do que em teologia. Os mitos, incluindo-se os mitos gnósticos, podem ser interpretados de diversas maneiras. Transcendência, iluminação, assim como arquétipos psicológicos, juntamente com outros elementos, têm seus papéis nessa interpretação. Ademais, tais afirmativas míticas falam de verdades profundas que não podem ser negadas.

O Gnosticismo pode trazer-nos tais verdades com grande autoridade pois fala com a voz da parte mais elevada do homem -- o espírito. Esta é a razão pela qual a visão gnóstica do mundo não pôde ser extirpada, apesar de muitos séculos de perseguição.

A visão gnóstica do mundo tem sido sempre atual, pois responde da melhor forma ao "conhecimento do coração" que é a verdadeira Gnose. Contudo, hoje, sua atualidade está aumentando, pois no final do segundo milênio e início do terceiro, assistimos  à deterioração radical de muitas ideologias que evitaram as grandes questões e respostas colocadas pelo gnosticismo. A clareza, franqueza e autenticidade da resposta gnóstica às questões humanas não podem deixar de impressionar e (em tempo) convencer.


Dante Alighieri, o Fim e o Esoterismo Templário

Jacques DeMolay nascido entre 1240 e 1244 na região de Borgonha na França, consagrado Monge Cavaleiro da Ordem dos Templários na Capela dos Templários em Beaune em 1265. Morto em 18 de Março de 1314 em Paris junto com seu companheiro Geoffroy de Charney.
 
Diante da fogueira armada para receber o ultimo Grão Mestre Templário e seu companheiro estava um representante de uma importante linhagem iniciática que revelaria segredos e mistérios do Templo as gerações futuras.
 
Jacques DeMolay antes de morrer amaldiçoou o Rei e o Papa por terem conspirado contra a Ordem. E essa figura foi o responsável por registrar tal maldição que conhecemos hoje.
 
Essa pessoa era Dante Alighieri, autor do famoso conto A Divina Comédia.

 

ESOTERISMO TEMPLÁRIO

A Ordem do Templo foi fundada, miticamente, em 1118 por nove monges oriundos de famílias nobres que lutaram ao lado de Godofredo de Bulhão na Primeira Cruzada. Porém essa é uma história envolta de mistérios.

Hughes de Payns e São Bernardo de Claraval, figuras chaves no nascimento dos Templários, são descendentes de famílias nobres da Casa de Borgonha na França. Essa é uma dinastia que na Idade Média a sua origem foi tida envolta de mitos e mistérios como sendo descendente da Linhagem Bíblia do Rei Davi e Salomão passando por Jesus de Nazaré e Maria Madalena.

Essa e muitas outras teorias que envolvem o nascimento dos Templários não são nada atuais. Esses mistérios remontam antes mesmo da sua fundação em 1118. Porém é necessário muito cuidado ao estudar o misticismo que envolve a Ordem dos Templários que é pouco verdadeiramente explorado e muito deturpado.

Antes de tudo os Templários eram - e continuam sendo - uma Ordem Monástica Cristã. Os Templários, assim como os Cistercienses, Dominicanos, Franciscanos e Beneditos, foram os detentores do Esoterismo Cristão que inclui estudos como Astrologia, Alquimia, Rabdomancia, Magnetismo, entre outras ciências herméticas. E no caso dos Templários teorias e relatos medievais sugerem que eles eram detentores da verdadeira história de Jesus de Nazaré e protetores do Santo Graal.

O Cristianismo Esotérico é o conhecido como Tradição Joanita. Enquanto o apóstolo São Pedro se tornou a cabeça do cristianismo fundando (também miticamente) a Igreja e a sucessão apostólica, São João tornou-se o coração. Pedro representa o cristianismo externo, João o interno - exotérico e esotérico.

Os Templários eram praticantes em sua Ordem interna da Tradição Joanita. Tinham uma especial devoção tanto a São João Evangelista como a São João Batista - os padroeiros do Esoterismo Cristão.

O Hermetismo Cristão nasceu dentro do pensamento de grandes Iniciados que existiram dentro da Igreja e que faziam parte desse Joanismo. A astrologia cristã, assim como qualquer outra linha da astrologia, consiste em estudar, compreender e vencer a influência dos astros sobre nós, assim como a ler a "mensagem dos céus". Não por acaso diz a lenda que 3 Reis Magos viram a estrela que indicava o nascimento de Jesus brilhar no céu.

A Alquimia Cristã não se preocupa em criar ouro sólido, mas sim fazer com que o homem possa morrer para se transmutar em uma Imitação de Cristo. A rabdomancia fazia parte da Arquitetura Sagrada, com ela os Monges Arquitetos escolhiam o lugar apropriado para a construção que iriam erguer.

Esses são alguns dos pontos em que consiste o Hermetismo Cristão, que faz parte da Tradição Joanita ou Esotérica. Isso é um pouco do que consiste o Esoterismo Templário, aqueles que eram os guardiões do Santo Graal.

Nesse meio nasce também a doutrina primordial dos Construtores Livres ou dos Monges Construtores que formaram a Maçonaria Operativa, intimamente ligada a Ordem dos Templários e dos Cistercienses. Devido a tradição Joanita, os Construtores se reuniam nas "Lojas de São João".

DANTE E O FIM DOS TEMPLÁRIOS



Dante Alighieri nasceu em 1265 próximo a cidade de Florença. Florença era palco de grandes correntes esotéricas e foi lá que Dante conheceu seu principal mestre espiritual: Brunetto Latini, um hermetista iniciado nos mistérios Templários, companheiro dos grandes alquimistas Alberto Magno que introduziu a Tábuas de Esmeralda no Hermetismo Cristão, e Tomás de Aquino.

Penetrou no mundo iniciático do seu tempo e acabou se tornando um importante guardião do Esoterismo Cristão, registrando em suas obras suas descobertas e experiências metafísicas.

Em 1314 Dante estava em Paris e assistiu a todo o processo de Jacques DeMolay e Godfrey de Charney, assim como presenciou na tarde de 18 de Maço a fogueira queimar lentamente com o ultimo Grão Mestre Templário e seu companheiro amarrados a ela.

Dante comparou o martírio de Jacques DeMolay como um crime tão grave como a crucificação de Jesus de Nazaré.

Jacques DeMolay era de origem nobre da Casa de Borgonha. Teria Dante conhecido a verdade sobre os Templários e a morte de DeMolay para realizar tal comparação?

Jacques DeMolay nunca entregou o paradeiro do tesouro do Templo ou dos monges fugitivos que escaparam do Rei e do Papa, e nunca revelou nem mesmo sob tortura os segredos que sua Ordem detinha.

Dante era extremamente religioso e era Católico, porém sabia que os culpados pela morte dos Templários era o Rei e o Papa. Durante sua jornada no Inferno relatado na Divina Comédia, viu o Papa Clemente V no local do inferno reservado aos que foram fraudulentos em vida. Se hoje ainda é absurda a ideia de um Papa ir ao inferno para o Católico, imaginem na Idade Média com o domínio da Igreja com a força da Santa Inquisição sobre o povo. Porém mesmo sob essa Tirania, Dante faz o seu relato.

O legado da Ordem do Templo não morreu com Jacques DeMolay na fogueira. DeMolay provou naquele momento que nenhuma tirania pode superar a fraternidade entre os homens. Numa visão esotérica, Jacques DeMolay vivenciou o que o Nazareno fez antes dele: exemplificou a lição do Companheirismo e da Fidelidade com sua própria vida.

Dante Alighieri legou a nós o Esoterismo Templário em sua obra prima: A Divina Comédia.

Nessa obra, Dante realiza uma viagem espiritual em que conhece o Inferno, o Purgatório e o Céu. Primeiramente penetra nas esferas inferiores do Inferno que representam a queda que a humanidade faz em sua própria consciência através dos seus vícios mal controlados. E após conhecer todos os níveis de abominações humanas, entra no Purgatório onde se purifica de todos seus pecados para poder conhecer os Céus.

A ascensão de Dante sobre os Dez Céus é análoga as Esferas da Árvore da Vida, - Lua, Mercúrio, Vênus, Sol, Marte, Júpiter, Saturno e então aos três Céus superiores. Dante encontra-se com Tomás de Aquino, Alberto Magnus, Rei Salomão, São Francisco e Carlos Magno - todos Grandes Iniciados. Tem também uma visão especial de Godofredo de Bullion, o planejador da Ordem dos Templários e também detentor de uma importante linhagem iniciática.

As referências alquímicas, astrológicas, herméticas e também da Kabalah são extensas na obra de Dante. Foi também nessa época em os Iniciados Cristãos começaram a penetrar na tradição oculta judaica, nascendo a Kabalah Cristã e Kabalah Hermética. Dante era iniciado nesses estudos e dizia que a escritura sagrada deve ser aprendida nos "quatro sentidos": literal, simbólica, por comparações metafóricas e a oculta ou secreta, que são os quatro níveis de aprendizado da Kabalah sobre os Livros Sagrados conhecido como PaRDeS.

No décimo Céu, Dante encontra-se com o próprio São Bernardo de Claraval - o poder espiritual por trás da Ordem do Templo. São Bernardo mostra a Dante diversos mistérios do cosmos e da terra e fazem juntos uma devoção a Virgem Maria, a figura santa mais sagrada para os Cavaleiros Templários que representa a Shekinah na tradição esotérica cristã.

Na alquimia cristã Maria - Shekinah - deu luz à Pedra Filosofal em forma humana: Yashua Bar Yoseph.
 


Esse é apenas um texto introdutório ao que consiste o esoterismo Templário em homenagem a data de hoje que completam-se 700 anos do exemplo de Jacques DeMolay, herói mártir cujo nome tomamos em nosso lábios, Patrono Espiritual da Ordem DeMolay (que também aniversaria hoje) e um ano de estudos Esotéricos nesse blog.

Lembremos do testamento de Fernando pessoa, um iniciado nos mistérios da Ordem do Templo: "Ter sempre na memória o mártir Jacques DeMolay, Grão-Mestre dos Templários, e combater, sempre e em toda a parte, os seus três assassinos - a Ignorância, o Fanatismo e a Tirania."

Fonte: http://www.esoterismodemolay.com.br/2014/03/dante-alighieri-o-fim-e-o-esoterismo.html

Homem: Conhece-te a ti próprio.

Picture 3

La base de nuestra ciencia, radica en el sistema simbólico. Tomando este como el lenguaje universal.

En épocas de la Arcadia (generaciones remotas y antiguas no registradas en la historia convencional), el lenguaje simbólico fluía tan natural y llevadero, análogamente a lo que es el internet en nuestros días.

La simbología como lenguaje, tiene su base en una exquisita ciencia denominada la “GEOMETRÍA SAGRADA”, un sistema que trasciende la geometría escolar que se limita solo al uso de las figuras y formas.
A la Geometría Sagrada se la Intuye, se la percibe, se la siente en las vibraciones y éstas reposan en el dinamismo de los Colores, Formas y Sonidos, cualidades que poseen vibraciones propias.

Cuando se accede a este lenguaje gracias a una evolución espiritual producto de la experiencia, se logra la sabiduría.

Los Grandes Griegos como Pitágoras, Sócrates, Platón y muchos más; fueron exponentes perfectos de este lenguaje. De ahí se deriva el nominativo de “Figuras Platónicas” aunque los Egipcios ya las enseñaban miles de años antes y fueron la fuente de los Griegos.

La utilizaron grandes genios del arte y de la ciencia como Leonardo D´Vinci; en cuya obra que trascendió el tiempo y el espacio: La Mona Lisa, dejó plagada de este lenguaje alegórico y simbólico abierto solo al ojo y el corazón desarrollado. Una plasmación perfecta en pintura de todo lo que encierra este “verbo divino”.

Esto es la Gnosis, que encierra el conocimiento y la sabiduría cósmica universal.

El lenguaje sagrado del Simbolismo que usa a la Geometría SAGRADA; quedó plasmado en las antiguas enseñanzas; tal es el caso de la PARAPSICOLOGÍA, MITOLOGÍA de todas las antiguas comunidades, imperios y épocas, y la METAFÍSICA.
Estas ramas, en la actualidad nos darán pistas claras del uso de la GEOMETRÍA SAGRADA.

De hecho, para tener un concepto más claro, la PARAPSICOLOGÍA moderna es la derivación de una ciencia que existió y que podemos llamarla Mitología.

Cuando contamos a nuestros hijos los famosos “cuentos” de las “mil y una noches”, los cuentos de “hadas”, etc; en realidad estamos evocando a una frecuencia que subyace en nuestra PSIQUIS con el objetivo de despertar nuestra conciencia; el adulto cree que se crearon para dormir a los niños.

PHI = el número de ORO

La divina Proporción

La divina Proporción

Todo en el universo se manifiesta por símbolos; y ese lenguaje es el que aprenderemos en el curso de nuestros estudios.

————————————————————

LEONARDO D´VINCI

Relaciones Geométricas y Simbolismo Hermético en La Gioconda.

Prólogo:
Este estudio comprende un conjunto de relaciones geométricas y simbólicas existentes en el cuadro que, bajo el juicio del autor, hasta el momento se han pasado por alto. Si buscamos el núcleo temático del mismo podría decirse que obedece a la resolución de un acertijo cuando este es planteado en dirección a una mente matemática.
El problema primero que surge para un primer acercamiento sería: ¿Donde está la pregunta que origina el desafío?, es decir, ¿Por qué plantearse el cuadro como un acertijo? Ciertamente no existe esa propuesta explícita en ningún documento escrito que conozcamos hasta ahora, simplemente el autor de este ensayo se la plantea en base al potencial enigmático que poseen tanto el cuadro como la obra del autor en su conjunto e incluso la época de su creación, buscando conclusiones nuevas nunca antes reveladas.
El autor se dará por satisfecho tanto si el resultado en su conjunto es capaz de aportar alguna chispa de energía en futuras investigaciones que aporten solidez a la hipótesis que plantea como si queda archivado en una manifestación más de la casualidad de las formas y la geometría.

Parte 1: En la que se descubre un Grial escondido en la simetría de la composición.

(Es aconsejable disponer de una imagen impresa de La Gioconda en alta resolución de cualquier libro ilustrado mientras se lee este análisis. De esta manera se podrán constatar detalles que en las figuras son difíciles de apreciar debido al tamaño de las mismas.)

Descripción objetiva: Retrato de figura humana, aparentemente mujer, en posición de tres cuartos mirando al espectador, cuello y espalda erguidos, las manos descansan sobre una columna, al fondo un paisaje natural con rocas, árboles y otros elementos.( fig 1).

Picture 1 Observación de las nimiedades: Nos podemos dar cuenta de que la imagen adolece de ciertas incoherencias dentro de lo que podríamos considerar un retrato femenino, pues la supuesta dama no tiene cejas ni pestañas y este hecho, junto a la voluptuosidad de las facciones del rostro, hacen sospechar que se intenta dar a la cabeza un aspecto redondeado, de huevo casi liso y perfecto. Podemos apreciar también que los pechos de esta figura no son tales pues no existen, sino que son sugeridos, en beneficio de la redondez del cuerpo. El cuello adquiere una rigidez forzada respecto al rostro, para que la mirada ( y concretamente el ojo situado a la derecha) adquiera una posición privilegiada dentro de la composición total.

Estructura geométrica interna: Leonardo aplica una relación matemática sencilla respecto a la manera de ubicar la figura en el espacio. Encaja el rostro en una elipse cuyo centro es el ojo situado a la derecha, que a su vez es centro del cuadro y divide la imagen en dos mitades proporcionales cuyo eje de simetría pasa exactamente por ese punto. ( fig 2).

Picture 1 La importancia del ojo: El órgano de la visión y su estudio tienen para Leonardo una importancia crucial. Podemos decir que filosóficamente es el origen de todo aquello que conoce, pues le pone en contacto con el mundo natural y animado. Tomando algunos fragmentos de su tratado de pintura nos podemos percatar de este hecho: ” El ojo que se dice ventana del alma, es la principal vía para que el sentido común pueda, de la forma más copiosa y magnífica, considerar las infinitas obras de la naturaleza”, ” Aquí las formas, aquí los colores, aquí los caracteres del universo todo son reducidos a un punto; pero ¡un punto de tan grande maravilla! ¡Admirable, magnífica necesidad; obligas por tu ley a que todos los efectos participen de sus causas por el camino más corto! Estos son los verdaderos milagros”.

Protagonismo del lado izquierdo: Por ser la zona hacia la que gira el cuerpo de la figura, por ser más luminosa y además, el autor ha elevado la línea del horizonte de la parte derecha del paisaje como truco para que la mirada se dirija hacia la zona contraria.

Aplicación conjunta de los apartados anteriores: Si tomamos la línea vertical que pasa por el ojo en la figura 2 como hipotético eje de simetría y colocamos un espejo perpendicular sobre dicho eje, la imagen total que obtenemos ( y que estaría presente en el cuadro únicamente de manera filosófica arropada por la estructura geométrica) es la imagen izquierda unida a su simétrica (fig.3).

Picture 2 Lo que obtenemos a continuación es una figura inquietante: La línea del velo de la cabeza y el mechón de pelo que cae sobre el busto, la ausencia de cejas y pestañas, junto a la voluptuosidad de las facciones del rostro y la inexactitud en la elaboración de unos pechos ausentes, nos revelan la aparición de un grial. (fig.4)

Picture 3

Conclusión: La pregunta surge espontáneamente: ¿ Que significaría esta imagen si la tomamos como posible solución a un hipotético acertijo?
Una de las respuestas más atractivas puede ser la siguiente: Como hemos visto, hemos partido del ojo como elemento generador, ha sido este órgano el que nos ha dado la clave para acceder finalmente a la figura oculta que es el cáliz, símbolo, dentro de aquel contexto histórico, de la sangre de Cristo, el conocimiento absoluto y el poder de la fe.
Al comparar ambos conceptos, ojo-cáliz, el significado de éste último se acopla al del primero constituyéndose en herejía, y como ya hemos visto anteriormente en la exaltación que Leonardo realiza del divino órgano de la visión ( entendido dentro de las claves de su cosmovisión gnóstico-animista) se le contempla muy capaz de sustituir el viejo símbolo del cáliz, representante de la fe sumisa controlada por la corrupta iglesia del momento, y renovarlo por el nuevo símbolo, el ojo, que sintetiza la observación directa de la naturaleza y el conocimiento como auténticas vías para alcanzar la trascendencia.

Parte 2ª: En la que se muestra un punto geográfico destacado que existe en la realidad.

En 1952, Derek I. Orbach publica su ensayo titulado The Madona of the Rocks, en el que analiza la estructura geométrica de La Virgen de las Rocas de Leonardo da Vinci descomponiéndola en diagonales y rectángulos mostrando como incluso los manojos de flores que crecen a sus pies tienen las corolas situadas en círculos concéntricos. Conceptos claves de geometría integrados en la cosmovisión de Leonardo serán aplicados a continuación para obtener algunas conclusiones interesantes.

El Vórtice: El vórtice, espiral tridimensional o torbellino, ocupa un lugar destacable dentro de las investigaciones de Leonardo, sobre todo en los últimos años de su vida en los que se aplicó en entender los flujos de la energía transformadora de la Tierra. Estas espirales surgían continuamente en muchos de sus estudios, ya fuera experimentando con corrientes de agua u observando fenómenos meteorológicos. Según Luis Racionero en su obra El pensamiento de Leonardo da Vinci, la evolución mental de Leonardo se cierra con el vórtice donde forma y fuerza confundidas dan resolución a un choque de corrientes contrarias. Significa su madurez como científico y la adquisición de secretos profundos de la naturaleza.

El Vórtice en la Gioconda: Si observamos la parte izquierda de La Gioconda apreciamos un camino sinuoso que nos adentra en un paraje agreste en dirección a unas montañas (fig 5).

Picture 1

Dos curvas resaltan principalmente en este camino, una en primer término que gira a la derecha y la inmediatamente continua que gira a la izquierda. En la representació n a papel de un vórtice completo, dos curvas únicamente son necesarias conocer, tanto para hallar las demás curvas de expansión como para encontrar el punto matriz de ese vórtice, núcleo de la totalidad de la espiral.
Este punto en concreto dentro del cuadro coincidiría por aproximación con la cima del monte que se encuentra en segundo plano, casualmente en un punto situado entre dos rocas gemelas y que simbolizan de alguna manera la idea de los pares contrarios, ese choque de fuerzas opuestas que originan la espiral. (fig.6).

Picture 2

¿Qué simbolizaría este núcleo? ….¿Dónde se encuentra?. Sobre su posible localización espacial, el lado izquierdo no nos concede demasiadas pistas, pero en cambio, el lado derecho nos puede aportar algún dato extraordinario.

El puente de Buriano: El paleontólogo Carlo Starnazziy y el informático Claudio Sartori identificaron el puente situado a la derecha del paisaje de La Gioconda como el Puente de Buriano en la provincia de Arezzo. Para llegar a tal conclusión mezclaban imágenes del cuadro con fotografías actuales y pinturas antiguas de la zona hasta encontrar puntos de referencia. El estudio permitió averiguar tambien que Leonardo pinto el paisaje a vista de pájaro desde el Castillo de Quarata, hoy desaparecido, en el que estuvo alojado una temporada bajo la hospitalidad del comandante Vitellozzo Vitelli.. Por tanto representa una región que si existe en realidad dentro de la geografía de la Toscana italiana.

Aplicación de la Simetría: Aplicando el concepto de simetría que nos había permitido encontrar el grial en la primera parte de nuestro estudio, para averiguar el sitio exacto en el que nos encontraríamos con ese punto clave, sólo debemos trasladar la parte izquierda, imaginaria , del cuadro (A), simétricamente a la parte derecha que si existe y nos puede aportar algún dato sobre su situación geográfica (B) (fig.7).

Picture 3

El lugar en concreto parece situarse detrás de un árbol situado en la orilla y que sería visible desde el puente. (Casualmente el punto más oscuro del paisaje de la parte derecha donde acaba la línea de vegetación).

Parte 3ª: En la que se muestra la correspondencia armónica de los puntos relevantes con el pentágono.

La sección áurea y el pentagrama: Fue Luca Paccioli, amigo de Leonardo , quien se aplicó en recoger las propiedades del segmento áureo en su tratado La Divina Proporción, “llamada así por sus propiedades excelsas, supremas, excelentísimas, incomprensibles, inestimables, innumerables, admirables, inefables, singulares …, que corresponde por semejanza a Dios mismo” Leonardo contribuyó en ella dibujando las figuras que ilustran la obra.
En ella se hace especial hincapié en el pentágono, por ser este el polígono regular que contiene mejor las cualidades de tal proporción. En un pentágono regular el cociente entre una de sus diagonales y un lado es constante. Este cociente o razón se llama la razón áurea. El número que resulta F=1,61803398875. … se llama número áureo o número de oro (Phi). Dentro del pentágono se inscribe el pentagrama o estrella de cinco puntas, formado por sus diagonales, símbolo de los pitagóricos y con una gran carga de significación hermética.

El pentagrama en La Gioconda: Al analizar la posición de los tres puntos importantes que hemos resaltado a lo largo de este estudio (el ojo, el núcleo del vórtice y su simétrico) nos damos cuenta de que se encuentran en relación áurea. (fig8)

Picture 4

Es decir, el segmento (AB) dividido entre el segmento (AC) nos da como resultado el número Phi. O lo que es aún más gráfico, los puntos A, B y C son tres de los vértices que forman el pentágono ( y su PENTAGRAMA) oculto en la trama secreta del cuadro (fig 9).

Picture 1

Dentro del pentagrama hay tres líneas que marcan la composición total (fig 10):

Picture 2

Conclusión: La pregunta surge espontáneamente: ¿ Que significaría esta imagen si la tomamos como posible solución a un hipotético acertijo?
Una de las respuestas más atractivas puede ser la siguiente: Como hemos visto, hemos partido del ojo como elemento generador, ha sido este órgano el que nos ha dado la clave para acceder finalmente a la figura oculta que es el cáliz, símbolo, dentro de aquel contexto histórico, de la sangre de Cristo, el conocimiento absoluto y el poder de la fe.
Al comparar ambos conceptos, ojo-cáliz, el significado de éste último se acopla al del primero constituyéndose en herejía, y como ya hemos visto anteriormente en la exaltación que Leonardo realiza del divino órgano de la visión ( entendido dentro de las claves de su cosmovisión gnóstico-animista) se le contempla muy capaz de sustituir el viejo símbolo del cáliz, representante de la fe sumisa controlada por la corrupta iglesia del momento, y renovarlo por el nuevo símbolo, el ojo, que sintetiza la observación directa de la naturaleza y el conocimiento como auténticas vías para alcanzar la trascendencia.

• El segmento (AB) (diagonal central) marca la parte alta de las rocas en la parte derecha del cuadro y la línea de árboles que crecen en la orilla del río en la parte izquierda.
• Uno de los lados superiores del pentágono (AC) marca el reflejo de las rocas en el agua.
• Una de las diagonales inferiores (BD) es tangente a la curva de los pliegues del ropaje.

La postura de la figura: Observando la disposición general de la supuesta figura femenina, el giro del torso hacia la izquierda nos mostraría en primer lugar el vórtice simbólico oculto para invitarnos a pasar al lado contrario con el gesto de la mano. (En el lenguaje estético de la espiral del contraposto comenzaríamos leyendo la mirada para acabar en el lado inferior y en el sentido opuesto que nos indica la mano).

El cuadro está incompleto: Antiguamente el cuadro contenía dos columnas griegas desaparecidas, una a cada lado, que formaban parte de la tabla y fueron cortadas. Tal vez la aportación de esas imágenes nos proporcionarí a información acerca de alguna correspondencia geométrica o simbólica añadida.

Conclusión: ¿Contiene La Gioconda un mapa para perpetuar escondido algún secreto hermético?
Hasta aquí me he atrevido a analizar de manera que queden palpables las correspondencias geométricas y simbólicas que existen latentes en la obra. Sobre lo que hubiera habido o haya en la región Toscana próxima al Puente de Buriano no me corresponde a mi hacer una especulación analítica ya que este tratado ha cumplido ya el objetivo propuesto de servir de complemento para cualquier estudioso interesado en resolver este misterio.


Fonte: http://sirgalahad.wordpress.com/simbologia/

engl-2.jpgClick here

INTRODUCTION

   La compréhension du sens hermétique des cryptogrammes templiers laissés à la postérité par les chevaliers de l’Ordre du Temple permet d’avoir une vision de l’histoire autre que celle dont l’histoire officielle aurait voulu que la masse populaire avale et, par voie de conséquence, corrobore les dires d’Honoré de Balzac.

Il y a deux histoires :

L’histoire officielle, menteuse,

puis l’histoire secrète,

où sont les véritables causes des évènements.

Honoré de Balzac

 OBJECTIF SECRET DES CROISADES

   L’objectif secret des croisades fut de reprendre la place forte que représentait le temple du roi Salomon à Jérusalem car dans les souterrains situés sous les écuries du roi Salomon étaient cachées et protégées les archives du roi Salomon ayant trait à une Tradition Ancienne.

Plan de l’ancienne Jérusalem

 

Plan du temple du roi Salomon.

   En 1099, les croisés de Godefroy de Bouillon et d’autres chefs croisés entrèrent dans Jérusalem et reprirent cette place forte particulière. Peu après, des fouilles archéologiques furent entreprises et les preuves de cette Tradition Ancienne, liées à la légende de Notre-Dame de Boulogne-sur-mer, furent envoyées par Godefroy de Bouillon à sa mère Sainte Ide de Lorraine qui était restée à Boulogne-sur-mer sous la protection de Guillaume, troisième frère de Godefroy de Bouillon.

Vitrail de Godefroy de Bouillon

( Beffroi de Boulogne-sur-mer)

La cathédrale de Boulogne-sur-mer.

Rappel de la légende de Notre-Dame de Boulogne.

   Extrait du livre intitulé Histoire de Notre Dame de Boulogne par le chanoine Leroy, archidiacre et official de Boulogne.

   <<...En l’an 633 ou 636 après J.C, sous le règne du roi Dagobert, la légende raconte qu’arriva au port de Boulogne-sur-mer un vaisseau sans matelots et sans rames contenant une image de la Sainte-Vierge, faite de bois en relief, d’une excellente sculpture, tenant l’enfant Jésus sur son bras gauche.

   Apparaissant visiblement aux habitants de Boulogne, assemblés dans une chapelle de la ville haute pour y faire ses prières accoutumées, elle les avertit que les Anges, par un ordre secret de la Providence de Dieu, avaient conduit un vaisseau à leur rade, où l’on trouverait son Image.

   Elle leur ordonna de l’aller prendre, et de la placer ensuite dans cette chapelle, comme étant le lieu qu’elle s’était choisi et destiné, pour y recevoir à perpétuité les effets et les témoignages d’un culte tout particulier...>>

    Apparemment, dans cette légende, la Vierge Marie n’aurait pas précisé que ce culte serait chrétien, juif ou musulman. Non, il serait tout particulier.

   Sainte Ide de Lorraine cacha donc les preuves envoyées par Godefroy de Bouillon dans une crypte et, afin que la postérité puisse comprendre de quoi parle cette Tradition Ancienne, elle fit construire dans l’église de Boulogne une autre crypte appelée Sainte Ide de Lorraine par le biais de laquelle elle transmit à la postérité les messages symboliques liés à cette Tradition Ancienne qui émanait de Jérusalem.

Crypte Sainte Ide de Lorraine

   Lors de la reconstruction de la nouvelle cathédrale, les ouvriers de Monseigneur Haffreingue redécouvrirent cette seconde crypte qui avait été ensablée en 1307 puis, celle où avaient été entreposées les preuves de cette tradition Ancienne, de ce culte tout particulier.

   Après avoir eu accès aux preuves cachées par la mère de Godefroy de Bouillon, il fit modifier l’architecture de la crypte Sainte Ide de Lorraine, fit murer l’escalier en colimaçon qui permet d’accéder à la première crypte et transmit, modernisée à sa manière sur le dôme de la nouvelle cathédrale, sa compréhension du message symbolique.

Symbolisme ancestral d’un pilier de la crypte

   Comme nous le montre l’archéologue boulonnais Mr. Camille Enlart, par diverses photos anciennes et autres reproductions, ce symbolisme ancestral émanant de Jérusalem, sculpté sur les piliers, fut reproduit dans d’autres cryptes, notamment celle de Notre dame de Saint Omer.

a8c.jpgEn haut: Configuration de la crypte Sainte Ide de Lorraine découverte

par les ouvriers de l’abbé Haffreingue.

En bas: Crypte Notre Dame de Saint Omer.

   Pour des raisons spirituelles mystérieuses liées à cette légende de Notre Dame de Boulogne-sur-Mer et à ce culte particulier qu’elle veut nous remémorer, Godefroy de Bouillon et ses trois frères naîtront à Boulogne-sur-Mer alors que l’origine de la famille Bouillon est belge.

a9-4.jpg

a10.jpg

Vues du château de Bouillon en Belgique.

   Un autre personnage de renom  naîtra également à Boulogne sur mer. Il aurait pu être un grand mathématicien, un grand scientifique, un grand artiste. Non, il sera égyptologue et chargé de déblayer le terrain pour que l’on puisse, un jour, avoir accès aux preuves concrètes de ce culte particulier de la légende de Notre Dame de Boulogne.

   Pour la postérité, on a voulu qu’il se tienne debout, non pas au pied d’une pyramide mais sur la plate-forme carrée supérieure de cette pyramide.

   Serait-ce, de sa part, une façon de nous dire que le sommet de la pyramide de Chéops n’a jamais été terminé, qu’il fut volontairement terminé en plate-forme carrée?

a11-1.jpg

Auguste Mariette debout sur une pyramide de Chéops en réduction

SEBORGA

LIEU D’ORIGINE

DE LA

FONDATION

DE

L’ORDRE DU TEMPLE

Liens:

Fonte: http://www.histoiresecretedestempliers.com/pages/eng-histoire-secrete-des-templiers/fran-b/a1-secret-objective-of-the-crusades.html

Ser Escudeiro ou Cavaleiro da O.E.S.B.

 

Deverá imprimir o impresso de candidatura e enviar para:

 

comenda.da.madeira@gmail.com

 cavaleiros.sao.bernardo@iol.pt

Loja OESB

 

Preço de capa: € 25,00

Encomendas: <comenda.da.madeira@gmail.com>

                      cavaleiros.sao.bernardo@iol.pt

Notícias

06-10-2014 16:20
1 | 2 | 3 >>

Etiquetas

A lista de etiquetas está vazia.

Contactos